top of page
  • Foto do escritorJulia Abud

O Impacto Social da Neurociência

Independente da escassez de material científico no campo neuropsicológico, pesquisas valiosas sobre os impactos da neurociência em áreas específicas, como educação, relacionamentos e direito estão em alta; três aspectos nos quais a neurociência começou a desempenhar um papel significativo em. Portanto, entender a vitalidade da pesquisa neurocientífica para aumentar eficiência e compreensão dessas áreas é indispensável.


A sociedade nunca poupa críticas aos sistemas educacionais. No entanto, embora os métodos variam de acordo com a região, a neurociência estabeleceu diversos consensos que buscam uma educação mais eficiente. Primeiro, a pesquisa “Stress signalling pathways that impair prefrontal cortex structure and function“ expõe que fatores como estresse e ansiedade divergem os caminhos dos sinais neuronais em direção às áreas do cérebro que realizam pensamento cognitivo inferior, em vez de direcioná-lo para áreas relacionadas ao pensamento cognitivo superior. Conhecido como Sistema Ativador Reticular (filtro RAS), o sistema é responsável por tal orientação de sinais, ao passo que, ao dar prioridade aos sinais que podem se correlacionar com uma ameaça (constrangimento, ansiedade, estresse), ele diminui o conteúdo da palestra. No entanto, fica evidente como os alunos do ensino médio não são colocados em um ambiente favorável ao aprendizado, já que de acordo com a Associação de Ansiedade e Depressão da América, cerca de 80% dos alunos relataram sentir-se estressados, enquanto 34% relataram sentir-se deprimidos. Portanto, os alunos são colocados em um ciclo vicioso no qual o estresse causa incapacidade/dificuldade biológica em absorver o conteúdo e, assim, levando ao fracasso acadêmico. O cérebro é sensível: uma organização simples da sala de aula pode desencadear sinais sobre uma possível ameaça. No entanto, a eficiência da educação também deve ser analisada. Fica evidente como há uma brecha no método educacional quando os videogames online atraem mais a atenção dos alunos do que palestras. Os jogos competitivos intrigam os indivíduos a avançar nos desafios devido à saída positiva anterior de completar desafios passados. Desta forma, o sistema de recompensas de dopamina é ativado por causa da positividade e, assim, a persistência é incentivada, tornando os jogadores intrigados com o console. Na maioria das vezes, as escolas não implementam essa possibilidade de sucesso, consequentemente desincentivando o desejo de avançar. A sociedade precisa mudar os modelos industriais de educação nos quais "materiais uniformes são convertidos em produtos” (Cozolino, L. J. (2013)) e começar a implementar ações humanas com foco na eficiência do crescimento pessoal ao invés de desenvolvimento institucional.


O comportamento individual também desempenha um papel significativo na pesquisa neurocientífica. Compreender por que as pessoas agem como, ou, relacionam-se com conceitos previamente declarados: por que outputs relacionam-se com determinados inputs é uma questão válida que circula pela sociedade. Humanos diferem de outros animais através de níveis morais e éticos historicamente estabelecidos pela sociedade. No entanto, quando tais padrões (éticos e morais) não são atendidos, os indivíduos são submetidos a uma enorme quantidade de críticas. A monogamia exemplifica tal situação. As expectativas para seguir tal padrão monogâmico são altas e causam uma pressão tremenda sobre os indivíduos. Em contraste, a neurociência provou que a dificuldade de manter um relacionamento tão estável pode ser associada com diferenças dentro da densidade de neuro-receptores. Durante um experimento, ao comparar ratazanas com outros animais, percebeu-se que animais não monogâmicos tinham uma densidade semelhante de neuro-receptores em comparação com as toupeiras não monogâmicas. Em contraste, animais monogâmicos e ratazanas tinham neuroreceptores mais densos (Farisco & Petrini, 2012). Portanto, o experimento expõe como, dentro do mundo animal, fatores físico-biológicos podem induzir ou dificultar a possibilidade de um relacionamento monogâmico. Tal evidência inflama questões em que a moral contemporânea está em jogo. No entanto, a neurociência não é apenas limitada à monogamia. O comportamento individual também provou ser controlado por neurônios. Atos simples, mas não percebidos, como a mímica, são pensados ​​como inteiramente inconsciente, no entanto, foi cientificamente comprovado que envolve a liberação de oxitocina (OT). Os níveis de OT parecem aumentar consideravelmente quando os sujeitos socializadores realizam ações semelhantes. Isso se deve ao sinal social gerado pelo mimetismo, que é de capacidade, aumentando assim o nível de confiança para com o outro indivíduo. Situações semelhantes ocorrem quando os pais reconhecem alegremente a capacidade social de seus filhos quando os bebês demonstram movimentos mecânicos importantes, como andar e engatinhar. Portanto, a neurociência evidentemente impacta as ações comportamentais não só da sociedade, mas também do Individual. Tal noção é vital para iluminar as características sociais e pessoais.


Embora distinta das disciplinas anteriores, na atualidade, a neurociência vem impactando, também, o sistema judiciário. Exames médicos, como fMRIs e PET-scans, estão sendo usados para modificar sentenças criminais sob a justificativa de momentânea mental insanidade ou doenças mentais crônicas. Conforme descrito por M. Farisco em O impacto da neurociência e genética na lei: em um caso italiano recente, os tribunais "criaram uma 'medição' neurocientífica e genética da culpabilidade". Há muitas controvérsias sobre tais acontecimentos, gerando um ambiente de pesquisa desfavorável - no entanto, há vários casos em que a neurociência foi usada para reduzir sentenças. Por exemplo, na Itália, uma mulher cometeu crimes, incluindo homicídio e tentativa de homicídio; no entanto, ela teve uma mudança de sentença devido a um suposto motivo neurocientífico - deduzido após a análise de um exame médico. No entanto, como observado anteriormente, definir como as entradas afetam as saídas é difícil para a comunidade científica. Assim, desculpas como instabilidade mental durante o momento do crime válida norma de redução de pena? Implementação da ciência natural em processo judicial tem sido desafiadora, embora a pesquisa seja apoiada por provas complementares. Vários outros médicos declaram que condiçoes especificas neurais deveriam mudar a maneira que tais fossem julgados , como indivíduos cujos tumores desencadearam o desejo de abuso infantil, não eram mais considerados uma ameaça para sociedade após a remoção da anomalia vagam pelo terreno médico. Tais casos criam uma relação instável entre o direito e a ciência do cérebro. Outras razões que perturbam a relação entre ambos dizem respeito ao fato de que as causas não são desculpas. Uma vez que um indivíduo comete um crime, seus desastres são causados, ​​e a maioria das consequências são irreversíveis. De informações citadas acima, fica evidente o quão controverso é o papel da neurociência no aspecto judicial . No entanto, de um ponto de vista diferente, pode ajudar a justiça e eficácia dos tribunais.


“Todo grande avanço no conhecimento natural envolveu a rejeição absoluta autoridade” (Cozolino, L. J. (2013)). O ditado ilustra como, embora a neurociência não seja amplamente aceita para explicar aspectos estruturais, comportamentais e judiciais, ainda existe a possibilidade de um relacionamento saudável entre os três. O cérebro é um mistério onde a curiosidade continua aumentando à medida que surgem as descobertas. Enquanto na educação, a sociedade continua se comprometendo aos erros, no comportamento e na lei, a sociedade continua aumentando o conhecimento e a controvérsia. Embora longe da capacidade total de eficiência nas ações cotidianas da sociedade, a neurociência é uma ferramenta vital que ajuda nesse aspecto. Dependendo da capacidade da sociedade contemporânea de agir com maturidade e abraçar os dados científicos atuais, a década atual pode estar embarcando em um modo de vida completamente desconhecido.


FONTES:


https:// reader.elsevier.com/reader/sd/pii/S0896627308008969? token=4777F3ED1D9DAA47BDF28B3D83A47D7E774E790BD08AE6B18F6CCB F267464D21D983A78E8CF3243DECEF68347C3CBA53&originRegion=useast-1&originCreation=20221121010844


https://doi.org/10.1007/ s12152-012-9152-x


https://ilslearningcorner.com/2017-02-sensory-input-motor-output-putgarbage-childs-brain-will-surely-get-garbage/


https://doi.org/10.1007/ s12152-012-9152-x



https://www.jneurosci.org/content/jneuro/ 33/45/17624.full.pdf


https://doi.org/10.1016/j.neuron.2016.12.041


https://doi.org/ 10.3389/fnins.2015.00337


Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page