top of page
  • Foto do escritorJulia Abud

As redes sociais e as doenças mentais

No mundo contemporâneo, temas como mídias sociais e problemas mentais são tendência constante. No entanto, ambos os assuntos são cercados por tremenda ignorância, preconceito, e polêmica. Portanto, quando juntos, o caos ao seu redor aumenta. A mídia social é constantemente acusada de ser a principal causa ou fator de influência para o aumento de problemas mentais entre os jovens. Mesmo que alguns possam argumentar que tais problemas dependem exclusivamente da fragilidade mental teórica da jovem sociedade, a pesquisa científica atual tem vínculos diretos comprovados entre o uso de aplicativos sociais, como o Instagram, com doenças.


Além disso, os truques psicológicos que os desenvolvedores de aplicativos usam pioram essas condições devido ao esquema de vício arquitetado por trás das linhas de códigos. Por outro lado as redes sociais contém áreas que informam sobre tais doenças mentais, auxiliando auto-reconhecimento e, portanto, podendo aumentar diagnósticos. Assim, entender como o vício em redes sociais é maléfico e como os apps podem contribuir para ansiedade e depressão, bem como os benefícios contidos no sistema tecnológico, é uma análise de extrema importância para a sociedade contemporânea. Embora polêmico, tal contraste de ideias busca uma investigação aprofundada.

   

A mídia social é atualmente um dos aspectos mais arquitetados da sociedade. Atrás da criação de sites e aplicativos, há uma quantidade considerável de processos psicológicos para aumentar a dependência da internet. Assim como as drogas recreativas, as mídias sociais desempenham com a tolerância do sistema de recompensa da dopamina. A dopamina é um mensageiro químico que desempenha um papel significativo no controle do prazer, aprendizado e motivação de um indivíduo. A substância química é liberada após estímulos positivos como inclusão social e prazer nas interações sociais. No entanto, com as mídias sociais, o problema reside na infinidade de sistemas de ativação de dopamina dentro dos aplicativos. O cérebro entende notificações constantes de curtidas e comentários como estímulos de sucesso. Essa consistência de ativação da dopamina gera uma tolerância dentro dos receptores neuronais, fazendo com que o indivíduo busque tal recompensa mais constantemente. Portanto, percebe-se que os jovens estão tendo dificuldade em se assumir desta estimulação crônica da dopamina que perturba as características homeostáticas do nosso corpo. Para equilibrar, o corpo se adapta ao aumento da exposição causada pelas mídias sociais. Porém, o problema é atingir o nível de dopamina ativado pelas redes sociais no dia a dia atividades, o que consequentemente deixa os adolescentes menos motivados a cada dia. 


De acordo com a revista The Economist, um estudo realizado em 2014 por cinco neurocientistas descobriu que usar o Facebook estimula a mesma região cerebral impulsiva do uso de drogas e jogos de azar. Portanto exemplificando a evidente ligação entre o cérebro físico e a dependência do social meios de comunicação. 


Ademais, a Royal Society For Public Health provou que a mídia social pode criar um maior potencial de dependência do que álcool e até mesmo cigarros. Tal capacidade é uma consequência das linhas de código que dependem dos interesses capitalistas, onde o dinheiro fala mais alto do que as necessidades humanitárias, como a saúde mental. Esse vício proposital dentro da mente subconsciente manipula os indivíduos para continuar rolando e acessando o conteúdo que pode não ajudar em uma mentalidade saudável. No entanto, o vício em mídia social afeta diretamente o cérebro físico da sociedade e controla consideravelmente as ações individuais.


As taxas de relatórios sobre ansiedade e depressão continuam a aumentar à medida que a tecnologia avança. Embora a mídia social seja percebida como uma ferramenta para aumentar a interação social em torno do globo, vários sofrem os efeitos contrários. A internet estabelece altos padrões em relação aspectos da vida dos indivíduos, como a beleza. Portanto, a mídia social inflama o ar de comparação e auto-insatisfação. O inventor do botão “curtir”, ou como é conhecido: “like”; Josen Rosenstein, relatou como a invenção foi mal compreendida e, em vez de espalhar positividade, a função serve como um pólo involuntário para aprovação. Alguns indivíduos dependem da aprovação e, quando suas expectativas não são atendidas, podem ocorrer colapsos mentais. 


Seguindo a linha de reconhecimento e aprovação social, os filtros desempenham um papel importante na juventude. Os filtros de distorção visual geram pistas para o auto-engano quando os adolescentes encontram seus eus autênticos no espelho. Esses filtros de internet promovem o sentimento de insegurança que, segundo o Programa Light, pode acarretar ou até alimentar ansiedade, depressão e até levar a distúrbios alimentares.

 

No entanto, uma parte mais significativa da internet contribui para o desenvolvimento dessas doenças. A quantidade de cyberbullying ocorrendo ao longo dos anos está apenas aumentando. Bullying é um termo recentemente reconhecido pela nossa sociedade, e pode ser definido como um comportamento agressivo indesejado em relação a outro pessoa, seja física ou verbal. O problema com o cyberbullying é a facilidade dentro da propagação de tal ódio, aumentando as pessoas agindo com ódio contra outro indivíduo. Por isso, receber tal ódio é uma dificuldade, e dependendo do ambiente do indivíduo contribui, o pedágio que esse indivíduo pode receber pode piorar sua condição mental. Portanto, a mídia social contribui para o desenvolvimento de doenças mentais, ou pelo menos é um contribuidor significativo.


Apesar de suas falhas, a mídia social ainda é crucial para unir pessoas e comunidades em todo o mundo. A rede de mídia social para pequenos grupos tem vários benefícios.


Primeiro, os adolescentes que lutam com ansiedade e habilidades sociais podem se expressar e se conectar com outras pessoas por meio de meios de comunicação. Como permite que as pessoas se conectem e se comuniquem com outras pessoas afins, pode ser especialmente benéfico para comunidades marginalizadas como o exemplo das comunidades LGBTQIA +.


Segundo, a mídia social atua como uma plataforma para dar voz aos que não têm voz. Pessoas que já experimentaram agressão e abuso, por exemplo, podem usar fóruns online como a comunidade #MeToo para expressar suas opiniões, compartilhar suas lutas e receber ajuda. As redes sociais também podem servir como uma plataforma para a criatividade, auto expressão, educação e informação. Terceiro, pessoas podem se ajudar a evitar algumas das consequências negativas da mídia social, limitando use para 30 minutos por dia, o que minimizará o medo de perder (FOMO) e seus efeitos adversos associados. Ao serem mais conscientes de quanto tempo eles gastam em redes sociais mídia, uma pessoa pode experimentar melhorias em seu humor geral, concentração e saúde mental. Finalmente, a mídia social fornece aos usuários uma comunicação eletrônica rápida e compartilhamento de conteúdo. Esse compartilhamento de conteúdo pode, de fato, ajudar na luta contra doenças mentais

já que os usuários trocam experiências, ajudando assim na conscientização.


Em conclusão, a mídia social é uma ferramenta controversa em nossa sociedade atual. A função está cheia de aspectos positivos e negativos que impedem uma relação saudável entre os usuários e as plataformas. Embora a mídia social tenha alguns benefícios sociais, sua dependência e contribuição às doenças mentais foi cientificamente comprovado que afetam a sociedade. Considerando os fatores citados acima, a sociedade deve reconhecer a importância de mudar as linhas de códigos para que os usuários possam ser tratados como seres humanos dignos em vez de inteligência artificial, onde as emoções são desconsideradas. A sociedade atual pode minimizar a participação das mídias sociais na vida cotidiana e, portanto, diminuir os impactos negativos da internet sobre os jovens.



FONTES:


























bottom of page