top of page
  • Foto do escritorVinicius Maurício

Um caminho para o tratamento do câncer: descubra a Terapia Gênica!

A partir do momento em que se descobriu o DNA como um pilar da hereditariedade,  fazer mudanças específicas no genoma humano se tornou um objetivo entre os cientistas e pesquisadores. Com o avanço das pesquisas sobre tal prática, surgiu a terapia gênica.


A terapia gênica é um método que se baseia na introdução de genes saudáveis, utilizando a técnica de DNA recombinante. É importante acrescentar, porém, que esta terapia tem múltiplas modalidades, porque as doenças têm diferentes níveis de complexidade. Dentre elas, vale citar primeiramente a “modificação direta do gene causador da doença”, que é direcionada para o tratamento de doenças hereditárias monogênicas, como a hemofilia. Ademais,  há o “tratamento indireto da patologia através da modulação gênica”, que é para doenças complexas/multifatoriais/adquiridas, tal como a AIDS. Por fim, existe a “imunoterapia por modulação gênica (vacinas de DNA)”, modalidade usada para o tratamento de microrganismos ou células patogênicas,  por exemplo, o câncer.


Para a introdução de um gene no corpo humano, deve-se haver um vetor, ou seja, um veículo que favoreça a entrada do DNA na célula. Há três principais categorias de vetores, cujo estudo está em desenvolvimento: plasmídeos, vetores virais e vetores nanoestruturados. A primeira diz respeito a uma pequena sequência de DNA, mas com a desvantagem que sua introdução demanda a fragilização da membrana celular. A segunda se refere a um microorganismo especializado em invadir células e introduzir um material genético. Esses vírus são modificados tirando o seu gene patogênico. A terceira são polímeros que têm capacidade de prender um gene e liberar quando necessário.


Figura 1: ilustração de plasmídeo, vírus e nanoestruturado, respectivamente (da esquerda para a direita)


O primeiro caso com um resultado favorável de tratamento utilizando a terapia gênica ocorreu nos Estados Unidos. Em 1989,  uma menina de quatros anos começou a ser tratada. Ela sofria de uma doença genética que ocasionava deficiência da enzima adenosina desaminase (ADA), essencial para o desenvolvimento do sistema imune. Logo, sofria da síndrome de imunodeficiência combinada severa (conhecida como SCID-ADA). É válido pontuar que crianças que sofrem com essa síndrome são conhecidas como “crianças da bolha”, pois é necessário que a pessoa fique isolada, o que acontece com o auxílio de uma bolha plástica de material transparente. No tratamento, os cientistas coletaram os glóbulos brancos do sangue da garota, chamada Ashanti de Silva,  inseriram o gene da ADA nesses glóbulos e induziram a proliferação dessas células em laboratório. Por conseguinte, devolveram as células modificadas para o sangue da paciente. Após dois anos de terapia, Ashanti  precisou administrar doses baixas de ADA, deixou de ser uma pessoa que não podia sair de casa e que sempre estava doente.


Hodiernamente, a referida terapia é utilizada para tratar algumas doenças genéticas. A hemofilia é um exemplo de doença genética e hereditária que dificulta a coagulação sanguínea devido a deficiência de um dos dois fatores que permite que o sangue coagule: o fator VIII ou o fator IX. Para tratar essa condição, introduz-se um gene normal de um desses fatores em uma célula alvo do paciente, através de um vetor viral modificado: um vírus adeno-associado. Portanto, a terapia genética já é utilizada em alguns casos específicos, e a tendência é tratar diversas outras doenças ou condições.


Além disso, esse tratamento está sendo utilizado contra a neoplasia maligna. Em 2020, quase 10 milhões de mortes foram atribuídas ao câncer, considerado a principal causa de morte no mundo em tal período. Esse quadro é bastante alarmante, mas pode ser revertido, à medida que os estudos sobre a terapia gênica avançam, tornando-a um tratamento mais seguro e acessível às diversas camadas sociais.


No ano de 2017, o FDA (Federal Drug Administration) aprovou a terapia CAR-T cell, primeira terapia que combate ao câncer. Durante esse tratamento, são retiradas células de defesa do doente. Essas células são modificadas geneticamente, de modo a atacar as células do tumor assim que injetadas no paciente. Atualmente, essa terapia é aprovada para tratar a leucemia linfoblástica aguda e alguns subtipos de linfoma.


No Brasil, em agosto de 2020, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a adoção da terapia gênica para o tratamento das Doenças Hereditárias da Retina (DHR). Posteriormente, a Anvisa  aprovou essa técnica para tratar pacientes com Atrofia Muscular Espinhal (AME). E, finalmente, em fevereiro de 2022, foi permitido o uso dessa técnica para tratar quadros de câncer, adotando as células CAR-T.


Hoje, existem seis medicamentos usados para a terapia genética no país. Entretanto, seu custo elevado dificulta o acesso pela população geral. Por isso, espera-se que haja um maior investimento nas pesquisas nessa área, visando à evolução na Medicina e à acessibilidade para toda a população.



Referências Bibliográficas


LINDEN, Rafael. Terapia gênica: o que é, o que não é e o que será. Terapia gênica: o que é, o que não é e o que será, [s. l.], 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/nmhVC8mrYSr9v68gRYRsPBS/?lang=pt#:~:text=Terapia%20g%C3%AAnica%20%C3%A9%20o%20tratamento,t%C3%A9cnica%20foi%20divulgado%20em%201990. Acesso em: 26 jan. 2024.


NARDI, Nance; TEIXEIRA, Leonardo; SILVA, Eduardo. Terapia gênica. Terapia gênica, [s. l.], 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/RgnQzCvM9tBxBgMgdLRzXbQ/#. Acesso em: 26 jan. 2024.



CÁNCER. [S. l.], 2 fev. 2022. Disponível em: https://www.who.int/es/news-room/fact-sheets/detail/cancer. Acesso em: 27 jan. 2024.


ALMEIDA, Luciene. Engenharia genética de células T para imunoterapia. Engenharia genética de células T para imunoterapia, [s. l.], 23 abr. 2021. Disponível em: https://newslab.com.br/engenharia-genetica-de-celulas-t-para-imunoterapia/#:~:text=A%20mais%20nova%20forma%20de,para%20uma%20doen%C3%A7a%20espec%C3%ADfica%20. Acesso em: 27 jan. 2024.

DELMONDES, Camila. Terapia gênica pode transformar vida de pacientes com hemofilia, aponta estudo da Unicamp no The New England Journal of Medicine. [S. l.], 28 mar. 2022. Disponível em: https://www.fcm.unicamp.br/fcm/relacoes-publicas/saladeimprensa/terapia-genica-pode-transformar-vida-de-pacientes-com-hemofilia-aponta-estudo-da-unicamp-no-new#:~:text=O%20m%C3%A9todo%20atualmente%20utilizado%20para,%2C%20o%20v%C3%ADrus%20adeno%2Dassociado. Acesso em: 28 jan. 2024.

ENTENDA a terapia gênica no combate ao câncer. [S. l.], 7 mar. 2022. Disponível em: https://portalhospitaisbrasil.com.br/entenda-a-terapia-genica-no-combate-ao-cancer/. Acesso em: 28 jan. 2024.


SILVA, Hilda; RIBAS, Vinicius. A terapia gênica veio para ficar no Brasil?. [S. l.], 2023. Disponível em: https://cienciahoje.org.br/artigo/a-terapia-genica-veio-para-ficar-no-brasil/. Acesso em: 28 jan. 2024.


Comments


bottom of page