top of page
  • Foto do escritorJulia Abud

O Impacto Econômico da Covid-19

Há pouco mais de cem anos, um vírus semelhante à gripe causou uma pandemia de gripe que resultou na morte de dezenas de milhões de pessoas. Em 2020 o Coronavírus, com potencial destrutivo semelhante, tornou-se o mais novo inimigo da saúde humana. Em pouco mais de seis meses, dezenas de milhares de pessoas perderam a vida, e outras se infectaram, causando um alerta global.


Por isso, técnicos da OMS (Organização Mundial da Saúde) criaram protocolos de prevenção, cujo principal objetivo era reduzir a curva de contágio para permitir atendimento hospitalar para a maioria dos pacientes. Acontece que, para a implementação deste protocolo, os cidadãos precisam permanecer em isolamento durante duas ou mais semanas. Esse isolamento tem efeito direto na economia dos países e desemprego em massa.


Em particular, é necessário esclarecer que uma economia estável, em certa medida, inclui uma sociedade na qual os indivíduos possuem prosperidade financeira e estabilidade emocional, onde diversos dos problemas que resultam de falhas econômicas, como na alimentação, transporte, educação, saneamento e habitação, não seriam tão acentuados, ou nem existiriam. O investimento pessoal em saúde, educação por exemplo, depende da certeza de que, a cada período, o indivíduo receberá certa quantia em dinheiro. O isolamento social interfere na “roda da economia”, emperra o sistema, causando insegurança e medo na população, que deixa de consumir.


Portanto, o melhor curso de ação é proteger vidas.. A crise causou um aumento acentuado da desigualdade internamente e externamente nas nações. Segundo “The World Bank”, a recuperação pós-crise será tão desigual quanto seus impactos econômicos iniciais.


Desde o início da pandemia, os governos reagiram com iniciativas econômicas abrangentes e contundentes, ao contrário de outras crises. Essas intervenções, em geral, foram eficazes na redução dos custos humanos mais graves de curto prazo. No entanto, a resposta de emergência também trouxe novos perigos, como os níveis excessivamente altos de dívida pública e privada na economia global, que, se não forem enfrentados com força, podem comprometer uma recuperação justa da crise.


Como as perdas de renda da pandemia pioraram os déficits econômicos já existentes, os efeitos econômicos do Covid-19 foram particularmente graves nas economias emergentes. Tornou-se evidente que muitas pessoas e empresas não estavam preparadas para lidar com um choque de renda desse tamanho e duração à medida que a pandemia avançava para 2020. Muitas famílias e empresas em economias emergentes já estavam sobrecarregadas com níveis insustentáveis ​​de endividamento antes da crise. Agora enfrentam maiores dificuldades em quitar suas dívidas quando a pandemia e provoca uma quebra acentuada dos rendimentos das famílias e das receitas das empresas.


A pobreza e a desigualdade global tiveram efeitos tremendos como resultado da crise. Segundo uma pesquisa feita pelo Banco Mundial em 2021, o desemprego temporário entre funcionários com apenas o primeiro ciclo do Ensino Fundamental aumentou em 70%. (mostrar link da pesquisa). Pessoas mais jovens, mulheres, trabalhadores autônomos e trabalhadores temporários com menor nível de escolaridade também experimentaram maiores perdas de renda. Pelo fato de trabalharem nas indústrias mais impactadas pelos procedimentos de confinamento e isolamento social, as mulheres, em particular, experimentaram maiores perdas de renda e de emprego.


Tendências semelhantes são vistas quando se trata do mundo de negócios. O impacto da pandemia nas perdas de receita foi maior para empresas menores e desorganizadas, com pouco acesso ao mercado formal de crédito. Em contraste com 59 dias para médias empresas, 53 dias para pequenas empresas e 50 dias para microempresas, as grandes corporações entraram na crise com potencial para cobrir seus custos por até 65 dias. Além disso, as micro, pequenas e médias empresas estiveram representadas nos setores mais afetados pela crise, como o alojamento e alimentação, retalho e serviços pessoais


Embora as perdas de rendimentos provocadas pela pandemia tenham afetado diretamente as famílias e as empresas, os riscos financeiros daí resultantes repercutem-se em toda a economia através de canais que se reforçam mutuamente e se ligam ao bem-estar financeiro das famílias, empresas, instituições financeiras e governos. Devido a essa interdependência, o aumento dos riscos financeiros em um negócio pode ter um efeito adverso em outros setores e na economia como um todo. Por exemplo, quando as empresas e as famílias estão sob pressão financeira, elas são menos capazes de conceder crédito e têm maior probabilidade de inadimplência. Da mesma forma, à medida que a situação financeira do setor público se deteriora, também piora sua capacidade de atender o restante da economia.


A fim de auxiliar as instituições financeiras e impedir que os riscos fluam do setor financeiro para outras seções da economia, instituições como os governos, bancos centrais e reguladores também implementaram instrumentos de política. com o intuito de facilitar o refinanciamento e permitir que instituições financeiras, como os credores de microcrédito, continuem concedendo empréstimos a pessoas físicas e jurídicas, os bancos centrais reduziram as taxas de juros e afrouxaram as restrições de liquidez.


A pandemia de Covid-19 expôs as nações a uma série de ameaças econômicas novas e crescentes, algumas das quais podem não ser imediatamente evidentes. Os governos devem desenvolver políticas para abordar todas as áreas onde a epidemia agravou as fraquezas econômicas, incluindo a sustentabilidade da dívida pública, o acesso ao crédito e a estrutura legal para a insolvência familiar e corporativa. No entanto, poucos governos têm financiamento e flexibilidade em suas políticas para abordar todas essas questões de uma só vez. Para priorizar suas respostas políticas, eles precisarão determinar os riscos que representam os maiores desafios urgentes para uma reparação equitativa em seu ambiente específico.


bottom of page